Projeto AMELI – Consórcio liderado pela Bosch desenvolve sensores para a indústria


Data: 2 Agosto, 2016

Sete parceiros estão envolvidos no projeto AMELI 4.0 que tem como objetivo desenvolver sistemas de sensores para a produção conectada.

Com o objetivo desenvolver o sistema de sensores do futuro para a produção conectada, ou Indústria 4.0. a Bosch lidera o projeto AMELI 4.0, que conta ainda com a participação de seis outros parceiros – Siemens, Hahn Schickard, o Instituto Fraunhofer para a Produção de Sistemas e Design Tecnológico IPK, Binder-Elektronik, Schaudt Mikrosa GmbH e Stackforce – que são líderes globais nos seus respetivos setores – tecnologia de sensores, engenharia mecânica e de sistemas, monitorização de maquinaria, conversão de energia e microtecnologia – nos seus esforços contínuos em inovar.

O sistema destina-se a monitorizar máquinas e imediatamente detetar desvios do seu estado de funcionamento normal. Com a ajuda deste sistema, as fábricas podem dar um passo em frente para prevenir que as máquinas tenham tempos de paragem inesperados. Em vez de adotarem intervalos rígidos de manutenção, as empresas podem efetuar a manutenção dos seus equipamentos precisamente quando necessário. Com esta abordagem espera-se reduzir custos de manutenção, inspeção e reparação de máquinas até 30%.

Segundo adianta a Bosch em comunicado, “os sensores desempenham um importante papel na Indústria 4.0 pois são os ‘olhos e ouvidos’ artificiais das máquinas e peças, sobre as quais recolhem informação sobre a sua condição e desempenho. Para facilitar a gestão inteligente e a conectividade na produção, os sensores têm de recolher e processar uma grande quantidade de dados em tempo real. Têm também de ser o mais energeticamente eficiente possível, e fáceis de integrar em complexos sistemas de produção. Os atuais sensores têm um uso e utilidade limitados na Indústria 4.0. Para muitas aplicações, não são inteligentes e flexíveis o suficiente, consomem demasiada energia e são demasiado dispendiosos”.

Para alcançar os objetivos propostos no projeto AMELI 4.0, os investigadores focam-se numa das tecnologias chave do mundo conectado: os sensores MEMS (sistemas microeletromecânicos). Mesmo agora é impossível imaginar carros e equipamentos eletrónicos sem sensores MEMS. Eles são, por exemplo, os componentes-chave do sistema ESP de controlo de estabilidade e asseguram também que o ecrã do smartphone vira em sintonia com o equipamento. Comparado com os sensores industriais convencionais, os sensores MEMS são pequenos, inteligentes, energeticamente eficientes e económicos. No entanto, em muitos aspetos não são ainda robustos ou poderosos o suficiente para as exigências do ambiente industrial. Isto significa que algum do potencial, que poderia ser aplicado em condições de monitorização nos sistemas de produção não está a ser explorado. A equipa do programa AMELI 4.0 planeia desenvolver ainda mais os sensores MEMS para que estes possam ser aplicados ao ambiente industrial. O fornecimento de energia tem um papel muito importante: o novo sistema não vai necessitar de cabos de alimentação ou baterias. Estão preparados para serem completamente autossuficientes pois geram a energia necessária usando a vibração das máquinas.

Financiado em 3,84 milhões de euros pelo Ministério de Educação e Investigação Alemão como parte do seu programa “IKT 2020 – Research for Innovation”, AMELI 4.0 significa sistema microeletromecânico para a monitorização condicionada na Indústria 4.0. Iniciado em dezembro de 2015 tem conclusão prevista para o final de 2018.

Partilhar