Peugeot – Partner Tepee Electric em Genebra


Data: 17 Fevereiro, 2017

A Peugeot prepara-se para apresentar, em estreia mundial, o novo Partner Tepee Electric, agora com uma autonomia de 170 km e uma capacidade de 1350 litros. Chega a Portugal em setembro.

A Peugeot apresentará em estreia mundial no Salão de Genebra, em março, o Partner Tepee Electric, modelo que assenta a sua base mecânica na do furgão Partner Electric, lançado em 2013. O motor elétrico compacto é do tipo síncrono de ímanes permanentes e oferece 67 cv/200 Nm. Os dois packs de baterias de iões de lítio, de elevada densidade energética e com uma capacidade de 22,5 kWh, oferecem uma autonomima homologada de 170 km. Colocados no fundo da viatura, de cada um dos lados do trem traseiro, originam um centro de gravidade baixo para o veículo, beneficiando o comportamento dinâmico e a maneabilidade, mas também não comprometendo a habitabilidade e o volume de carga.

O seu espaço interior modulável permite instalar cinco pessoas, ao mesmo tempo que transporta 1350 litros de carga. Retirando os três bancos da segunda fila, este valor chega aos 3000 litros, potenciando uma utilização mista trabalho/família. Além da bagageira, o habitáculo oferece 78 litros de espaços, abertos ou fechados, para objetos.

A todas as suas prestações de modularidade e funcionalidade, o novo Partner Tepee Electric junta as vantagens específicas ligadas à sua mecânica elétrica, como a possibilidade de circular em zonas regulamentadas em termos de emissões. O modo de recarga rápida até 80% em 30 min, disponível em opção, permite multiplicar os percursos diários.

Além de uma menor pegada ecológica e do menor gasto com a alimentação do veículo, a Peugeot anuncia que o Partner Tepee Electric tem um custo de manutenção 30% inferior ao de um veículo de motor térmico. Para tal concorre a garantia de 8 anos ou 100 000 km da bateria e de 5 anos ou 50 000 km para a mecânica elétrica, vigorando em ambos os casos o primeiro dos dois a ser atingido. Os intervalos de manutenção são de dois anos ou 40 000 km, após o primeiro ano, não necessitando de óleo, nem de correia, nem de líquido de refrigeração. A ausência de caixa de velocidade e de embraiagem reduz o número de elementos a controlar e, graças à dupla regeneração de energia na desaceleração e na travagem, os travões são menos solicitados, desgastando-se menos.

Destaque ainda para o custo energético por quilómetro da recarga elétrica ser cerca de quatro vezes inferior, face ao do combustível para um veículo com motor térmico. As vendas em Portugal deverão iniciar-se em setembro de 2017.

Partilhar