Mobilidade baseada no hidrogénio

Texto: David Espanca
Data: 25 Novembro, 2019

A Michelin e a Faurecia anunciaram a criação da Symbio, A Faurecia Michelin Hydrogen Company, uma “joint venture” dedicada a todas as atividades tecnológicas ligadas à pilha de combustível, rumo à mobilidade baseada no hidrogénio.

 

O objetivo desta nova empresa passa pelo desenvolvimento, produção e comercialização de sistemas de pilha de combustível de hidrogénio para veículos de turismo, comerciais e camiões, além de aplicações para outras áreas da mobilidade elétrica.

A Faurecia irá contribuir com a sua experiência tecnológica em mobilidade baseada no hidrogénio, assim como através dos resultados obtidos com os seus trabalhos de investigação e desenvolvimento, realizados em colaboração com a Comissão Francesa de Energias Alternativas e Energia Atómica (CEA).

No que diz respeito à Michelin, ela contribuirá com os conhecimentos da sua subsidiária Symbio, um fornecedor de sistemas de pilhas de combustível de hidrogénio, assim como com a sua completa gama de serviços e atividades de design e produção.

Nesta primeira fase estão previstos investimentos na ordem dos 140 milhões de euros nesta nova empresa, com o objetivo de desenvolver pilhas de combustível de nova geração, iniciar a produção em série e impulsionar o negócio na Europa, na China e nos EUA.

 

1,5 mil milhões de euros em 2030

Os seus responsáveis pretendem alcançar uma quota de mercado de 25% e atingir uma faturação de cerca de 1,5 mil milhões de euros em 2030. Inicialmente, a “joint venture” contará com três unidades industriais que abastecerão os principais mercados automóvel do mundo: Europa, Ásia e EUA.

Estima-se que a mobilidade elétrica aumente significativamente até ao final da próxima década e que os veículos alimentados por hidrogénio representem dois milhões de unidades, das quais 350 mil serão viaturas comerciais.

A tecnologia da pilha de combustível de hidrogénio é essencial para acelerar o desenvolvimento da mobilidade elétrica, para que esta responda aos seus três maiores desafios: a melhoria da qualidade do ar, a redução das emissões de CO2 e a transição energética.

Fabio Ferrari é o diretor executivo desta nova empresa, que relembra ter fundado a Symbio há quase dez anos para trabalhar nesse sentido. Daí que, “ao criarem esta parceria, Michelin e Faurecia demonstram que também partilham esta visão. Não existe energia mais poderosa para avançar”.

Partilhar