Continental. Head-up Display com realidade aumentada [vídeo]


Data: 5 Agosto, 2014

A Continental, fornecedor internacional do mercado automóvel, apresenta uma nova etapa revolucionária do seu head-up display (HUD). O novo HUD com Realidade Aumentada (AR-HUD) além de “mostrar” ao condutor eventuais perigos, o carro também o ajuda a navegar através do trânsito. Com a informação virtual inserida na visão real do exterior, os condutores reconhecem intuitivamente o significado do que estão a ver à sua frente.

O AR-HUD foi desenvolvido a partir do anterior HUD, mas a informação aparece agora de forma a não interferir na condução. Por exemplo, ao navegar, um símbolo indica ao condutor a forma de uma curva que se aproxime, enquanto os controlos de distância (CruiseControlAdaptivo, ACC), se ativados, avisam o condutor da presença de outros veículos.

“Na sua versão atual um HUD é um excelente filtro de informação. Transfere uma quantidade mínima de informação selecionada para o campo de visão do condutor,” disse Guido Meier-Arendt, o diretor de HMI do Departamento de Interiores da Continental. “Em situações de trânsito exigentes, liberta o condutor de ter de olhar frequentemente para o painel de instrumentos ou para a consola central, podendo assim prestar uma atenção constante ao trânsito. Mantemos a filosofia do HUD de apresentar apenas certa informação; no entanto, a qualidade da informação é mais elevada”.

Três aplicações exemplificativas foram instaladas no veículo de demonstração da Continental do AR-HUD: Aviso de Saída de Faixa/Aviso de Desvio da Trajetória (Lane Departure Warning – LDW), Cruise Control Adaptativo (ACC) e navegação. A informação relacionada com cada aplicação é refletida de forma precisa no traçado da estrada, complementando a realidade com comentários e informações adicionais. Este fato por si só é revolucionário, representando também um novo tipo de interação com os condutores.

A Continental está há muito tempo a trabalhar no desenvolvimento das funções do HMI para que ele possa enfrentar os novos desafios e simultaneamente cumprir o código da estrada. Surgiram mudanças na expetativa do utilizador, que estão cada vez mais centradas na assistência à condução baseada em sensores que necessitam de um interface com o condutor; o crescente volume de tráfego e a necessidade de informação sobre engarrafamentos e opções alternativas; a expansão da mobilidade elétrica e a sua necessidade específica de informação; e finalmente a condução automatizada, que traz exigências completamente novas para o HMI.

Esta tecnologia está numa etapa avançada de desenvolvimento e encontra-se integrada num veículo de demonstração, pelo que a Continental pensa ter o Head-up Display com Realidade Aumentada pronto para produção em serie em 2017. “Isto é o início de uma nova interação entre o veículo e o condutor. O veículo mostra ao condutor o que os sistemas de assistência à condução estão a ver e o que estão a fazer, criando mais confiança e ajudando também a criar aceitação relativamente às funções de condução atuais e futuras,” disse Eelco Spoelder, diretor de Departamento de Instrumentos e HMI da Continental.

“A qualidade do interface homem-máquina no veículo está a mudar com o AR-HUD,” resumiu Spoelder. “A informação aparece no local para onde o condutor olha instintivamente em primeiro lugar – na direção da estrada. A informação dificilmente poderia ser transmitida de um modo menos ergonómico e mais compreensível do ponto de vista intuitivo. Esta tecnologia de realidade aumentada coloca a Continental num papel de liderança no que respeita ao desenvolvimento do HUD.”

A tecnologia por trás do AR-HUD leva a informação virtual diretamente para o campo de visão do condutor. O AR-HUD reflete ainda informação a cores que esteja diretamente relacionada com a condução no para-brisas do veículo, permitindo ao condutor saber em que ponto deve virar, sem ter de olhar alternadamente para o ecrã de navegação e para a estrada. Esta funcionalidade tem por base uma tecnologia com um dispositivo de micro-espelho (DMD), tal como a que é usada nas projeções de cinema digital.

“Num mundo que se está a tornar cada vez mais complexo, o AR-HUD alivia o condutor com uma nova qualidade de informação. Através da realidade aumentada fazemos a ligação entre o que os olhos do condutor veem e a informação explicativa”, disse Helmut Matschi, membro do Conselho de Administração da Continental e Diretor do Departamento de Interiores sobre esta tecnologia, “contribuindo para uma experiência de condução mais confortável, económica e segura. Os condutores recebem toda a informação importante antes que os seus olhos a possam ver e isso acontece de uma forma facilmente compreensível. Este é um grande passo contra as distrações do condutor e contra a sobrecarga sensorial, tanto agora como no futuro.”

Com o AR-HUD a Continental prossegue o caminho de desenvolvimento iniciado em 2003, quando a empresa começou a produção do primeiro HUD a cores em veículos de passageiros. “A nossa experiência de muitos anos com a tecnologia HUD ajudou significativamente no desenvolvimento do AR-HUD, ” disse Spoelder. “No entanto, criar a realidade aumentada foi um território completamente novo.”

 

OPÇÕES DE AUMENTO COM O EHORIZON

O AR-HUD no veículo de demonstração da Continental complementa a realidade com informação gráfica inserida precisamente na visão real do exterior. Isto é, por assim dizer, o “ensino puro” do aumento: misturar de forma integrada informação e realidade com precisão e com a perspetiva correta. No entanto, existem situações de condução onde pode fazer sentido desviar-se deste modelo. Por exemplo, se o veículo tem um horizonte eletrónico (eHorizon), então a informação que vai para além do campo de visão do condutor também pode ser refletida no AR-HUD. Se o automóvel se aproxima de um cruzamento com um sinal de stop que está posicionado após uma curva, esta informação pode ser mostrada mais cedo ao condutor. “Contudo, não é de forma alguma apenas uma questão de segurança. O ambiente também beneficia do fato de os condutores abrandarem na altura certa,” realçou Meier-Arendt.

O eHorizon utiliza informação sobre a posição atual do veículo. A informação sobre a estrada que está à frente e sobre a sua tipografia é processada dentro de unidades de controlo importantes, tais como o controlo do motor, as unidades de controlo de transmissão e a assistência à condução para otimizar as suas respetivas funções. O AR-HUD oferece agora a opção de “dizer” aos condutores no contexto visual correto o que seu veículo pode “fazer” por eles, ou o que “recomenda”. “A partir destas mensagens pode ter uma ideia do que se está a passar,” diz Meier-Arendt. “O veículo transforma-se num treinador e num companheiro digital que interage com o condutor e que o apoia de acordo com a situação.”

A Condução Automatizada e o AR-HUD

Esta nova tecnologia desempenha um importante papel na tendência mundial para a condução automatizada. Embora este tipo de condução forneça conforto e seja útil ao condutor, traz também novas tarefas para o automóvel. Assim que o condutor tenha dado o controlo longitudinal e lateral de seu veículo para uma manobra de condução especial, passa de “fazedor” para “supervisor”, o que altera a sua necessidade de informação. Os condutores ainda querem saber que veículos, objetos e/ou sinais rodoviárias o seu automóvel realmente “vê”. Esta é uma forma de o condutor confiar nas funções inovadoras do veículo. “Acreditamos que a melhor opção para isso é o AR-HUD. Aqui o condutor vê qual é o veículo à sua frente que é detetado pelo sistema do seu automóvel. Esta confirmação visual direta é um feedback importante,” explicou Meier-Arendt.

A situação inversa é igualmente importante. Se o período de condução automatizada está a terminar, o condutor tem que retomar o controlo do veículo. Para o fazer, tem de voltar ao papel de “fazedor” e avaliar a situação do trânsito para que possa saber como prosseguir de forma segura.

 

Veja o vídeo:

Partilhar