Carglass elege Best of Belron

Texto: Redação

Quando, em Junho de 2018, o Belron Group reunir em Frankfurt os melhores técnicos de aplicação de vidros auto, Portugal estará representado por Marco Santos, de Santarém, vencedor do “Best of Belron – Lisbon”, evento organizado pela Carglass Portugal.

A indicação do representante português para a final global do concurso de aplicadores de vidros auto do Grupo Belron, a realizar em 2018 em Frankfurt, Alemanha, mas também a discussão e antevisão em conferência do que poderá ser “O Futuro do Automóvel”, motivaram a realização do evento “Best of Belron”, no Convento do Beato, em Lisboa. Marco Santos, de Santarém, irá representar a rede Carglass de Portugal em Frankfurt, depois de uma decisão final entre cinco concorrentes submetidos a uma prova surpresa, mas também a competições relativas ao óculo traseiro, competição lateral, competição de reparação e competição pára-brisas.

A escolha do representante português para o evento de Junho próximo acabou assim por ser o ponto alto de um programa de dois dias no qual foi integrado ainda uma importante conferência sobre o futuro do automóvel – “Looking to the Future” –, a qual teve como oradores Nuno Oliveira Matos, “Head of Actuarial Services” da PwC a quem foi solicitada a abordagem das “Tendências no mercado segurador”, ainda Alexandre da Silva Teixeira, “Business Development Manager” do CEiiA, Centro de Excelência para a Inovação da Indústria Automóvel, que apontou caminhos e deixou algumas pistas relativas ao “Futuro do Automóvel”, e também Chris Davies, responsável técnico do Belron Group, que falou sobre as mais recentes tecnologias do vidro automóvel.

Antes dos oradores, também o CEO do grupo Belron, Gary Lubner, deixou algumas palavras aos participantes na conferência, confessando-se um fã do clima de Portugal, mas também da “capacidade de organização e do trabalho da rede Carglass no nosso país.”

Futuro dos automóveis passa pela conectividade e condução autónoma

Nas intervenções dos participantes na referida conferência, Chris Davies, abordou a realidade da evolução em curso para os automóveis autónomos, e nomeadamente a atualidade dos sistemas ADAS nos veículos, muitos deles colocados nos vidros automóveis. Segundo este especialista, mais de 1580 modelos de vidros auto carecem já de calibração caso sejam substituídos.

“Aumentamos a complexidade dos veículos de forma a termos estradas mais seguras”, considerou Chris Davies no decorrer da Conferência Looking to the Future, perspetivando a evolução para os carros autónomos, focando os sistemas ADAS, de alerta ou de segurança que geralmente funcionam com câmara e/ou radar e que são uma realidade em constante expansão, apresentando ainda assim algumas barreiras que têm de ser superadas. Entre estas barreiras, o orador apontou as atitudes dos consumidores, onde se destaca que 33% tem receio de existirem defeitos nestes sistemas, mas também as questões relacionadas com a falta de harmonização entre a autonomia e a não existência de “standards” na passagem de informações entre veículos e infraestruturas.

Outros dos elementos que permitiram a reflexão relativamente ao futuro do automóvel foi Alexandre da Silva Teixeira, Business Development Manager do CEiiA, entidade nascida da cada vez maior especialização da engenharia no sector automóvel. Segundo este técnico, há cinco grandes tendências do sector automóvel, nomeadamente a electrificação, os novos materiais usados na construção automóvel, os veículos conectados entre si e com as infraestruturas, os hábitos de mobilidade e a emergência dos veículos autónomos, tudo agregado em redor de uma mudança que este orador apontou como real já em 2030, o que significa dizer que tudo será bem diferente do que conhecemos hoje numa distância temporal de apenas 12 anos.

Por fim, usou da palavra Nuno Oliveira Matos, da PwC, para dar conta daquelas que são, no seu entender, as mega tendências no sector segurador, influenciado pelas alterações demográficas, também pela harmonização regulamentar, ainda pelas catástrofes naturais, sem esquecer as fusões e aquisições e a disrupção tecnológica, tudo isto tendências que, na opinião deste especialista, deverão influenciar em muito o sector segurador.

Restará referir que a rede Carglass, em Portugal, faz parte da Belron, empresa internacional nas áreas da reparação e substituição de vidros em viaturas que opera actualmente em 34 países com uma equipa de mais de 25 mil técnicos qualificados que, segundo os números da própria empresa, servem mais de 11,7 milhões de clientes por ano, o que representa uma média de um cliente de três em três segundos.

Em jeito de balanço, Jorge Muñoz Cardoso, Diretor Geral da Carglass Portugal, lembrou que o objectivo desta conferência “Looking for the Future” visou “abordar as grandes tendências do sector automóvel e perspectivar de que forma os constantes avanços tecnológicos e a inovação de diferentes áreas desta indústria podem impactar o futuro.”

Texto e fotos: Jorge Reis

Artigo publicado originalmente na Turbo Oficina nº 67

Partilhar