Reparação Ar condicionado

Published on December 19th, 2012 | by admin

0

Ar condicionado. Revisão da matéria dada


O Verão está à porta e é normal um maior fluxo de clientes nas oficinas para fazerem reparações ou manutenção nos sistemas de ar condicionado dos seus carros. Saiba quais os principais problemas e a melhor forma de os resolver.

Em 1626, Francis Bacon foi o primeiro a pensar em refrigeração para conservar alimentos. Todavia, só em 1834 Jacob Perkins patenteia o primeiro equipamento para produção de gelo que seria mais tarde construído e apresentado por James Harrison (escocês) entre os anos de 1856 e 1857. A descoberta do ciclo de refrigeração e desenvolvimento da máquina frigorífica deu o mote ao uso prático do ar condicionado. Estávamos em 1906 quando o jovem engenheiro norte-americano Willys Haviland Carrier inventou um processo mecânico para condicionar o ar, tornando realidade o controlo do clima.

Há cerca de 70 anos, em 1939, o Packard foi o primeiro automóvel a equipar em opção, um sistema de ar condicionado idêntico aos de hoje. Bem mais tarde, o ano de 54 é então marcado pelo lançamento do Pontiac com o primeiro sistema de climatização montado se série. A noção de que quando se arrefece um espaço, se está a arrefecer o ar ai existente, ao contrário do que muitos afirmam, está completamente errada. O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico. Todos os corpos possuem energia e como tal emitem calor mesmo quando para a sensação humana isso pareça frio pois a temperatura de 0o Kelvin é atingida aos 273,15o centigrados. Ao arrefecermos o habitáculo de um automóvel estamos a obrigar à entrada de ar frio e, consequentemente, à saída de ar quente. Refrigeração é o ato de remover ou transferir o calor de um ambiente para outro.

FUNCIONAMENTO

Aspirado pelo compressor, o fluido em estado gasoso e a baixa pressão é submetido a alta pressão, elevando assim a sua temperatura. Saindo do compressor no estado gasoso e a alta pressão, o fluido cede uma parte do seu calor quando atravessa o condensador. A transferência de calor entre o condensador e o ar permite ao fluido arrefecer. O fluido volta a ficar no estado líquido. Ao atravessar o estrangulamento constituído pela válvula de expansão ou pelo tubo de orifício calibrado, a sua pressão diminui, tornando-se num líquido de baixa pressão. O fluido no estado líquido a baixa pressão absorve o calor do ar que atravessa o evaporador. É nesta fase que o ar arrefece, devido à transferência de calor para o evaporador: assim se dá a produção de frio. O fluido passa ao estado gasoso. Dá-se início a um novo ciclo.

CONSELHOS DE MANUTENÇÃO

Óleo lubrificante

O óleo lubrificante circula no sistema misturado com o gás frigorígeno. Sempre que exista uma fuga ou se proceda à substituição de um dos componentes do circuito hidráulico é imperativo que se reponha a quantidade de óleo necessário para que fique com a quantidade preconizada pelo fabricante. Se o circuito estiver em exposição ao ar, o óleo irá oxigenar sendo assim necessária a sua substituição na íntegra.

Filtro desidratador

O filtro desidratador deverá ser sempre substituído quando existe exposição do circuito ao ar, provocando assim a sua saturação de humidade. Se o filtro desidratador estiver integrado no radiador de condensação, deverá de ser substituído o conjunto.

Juntas de estanquicidade

Sempre que se efetue a desconexão de uma das ligações do circuito hidráulico, as juntas de estanquicidade deverão ser substituídas.

Filtro de pólen

O filtro de pólen deverá de ser substituído dentro dos planos de manutenção das marcas. Esta substituição ocorre em condições normais de 30 em 30 mil km’s ou todos os anos. Se o utilizador realizar sistematicamente percursos de condução severa, como zonas de terra batida, a sua substituição deverá de ser efetuada a cada 15.000 km ou em caso de perda de fluxo de ventilação. A saturação do filtro é notória quando o utilizador necessita de aumentar a velocidade de ventilação para obter o mesmo desempenho. Sempre que o utilizador note a existência de odores desagradáveis e contínuos, vapores de difícil eliminação ou sensação de ambiente carregado e perda de eficiência da climatização deverá também proceder à substituição do filtro de pólen. Quando não é feita a manutenção do filtro de polen, pode ocorrer acumulação de sujidade dentro do sistema e isso aumenta a ocorrência de fungos e ácaros, que desencadeiam processos alérgicos e infeções respiratórias.

SAIBA COMO RESPONDER A PERGUNTAS FREQUENTES DE CLIENTES

Em estrada é preferível desligar o ar condicionado para diminuir o consumo de combustível?

Em dias de calor é inevitável que tenhamos uma fonte de ar fresco para dentro do habitáculo. O vento entra pelas janelas e “segura” o carro (aumento a pressão dentro do veículo) principalmente quando ele está em alta velocidade (acima de 70/80 km/h), provocando o chamado “arrasto” (CX). Isso faz com que o uso do motor seja mais exigente, com desgaste e consumo de combustível maior. Há mais economia de combustível e menor desgaste do motor com a climatização ligada e os vidros fechados do que o inverso. Além disso, com o ar condicionado, o utilizador não perde desempenho do veículo, os sistemas estão mais evoluídos reduzindo assim a carga imposta ao motor.

A climatização ligada traz problemas à saúde dos ocupantes?

Um fator muito importante é a qualidade de vida que o ar condicionado proporciona. A satisfação de estar num ambiente confortável, sem barulho, evitando respirar ar poluído, como o fumo de camiões, transportes públicos e automóveis, tem influenciado muito os utilizadores de ar condicionado a utilizá-lo cada vez mais. Isso consegue reduzir stress principalmente para aqueles que têm o seu veículo como uma ferramenta de trabalho.

Devo de utilizar o ar condicionado no inverno?

Através das suas capacidades de desumidificação, o ar-condicionado deverá de ser ligado no inverno para que se consiga obter um melhor e mais rápido desembaciamento dos vidros. Por esta razão a climatização é considerada um sistema de segurança ativa. Como percebemos  anteriormente, o óleo de lubrificação do sistema circula misturado no gás frigorígeno. Como tal, o utilizador deverá ligar a climatização pelo menos uma vez por semana pelo tempo mínimo de 10 minutos com o intuito de lubrificar todo o sistema. Caso o sistema de climatização esteja sem funcionar por períodos prolongados, todas as juntas de estanquicidade perderão as suas capacidades podendo ressequir-se e, por conseguinte, criar fugas no circuito.

Uso lentes de contacto. Que precauções devo de ter?

Aos utilizadores de lentes de contacto, recomenda-se alguma moderação na utilização do ar condicionado. Sensação de estar com “areia nos olhos”, peso nas pálpebras, olhos vermelhos, embaciamento da visão ao fazer algum tipo de esforço visual e aumento de sensibilidade à luz são alguns sintomas da síndrome de “olho seco”. A climatização, através da sua reação termodinâmica, promove ambientes secos. Os utilizadores de lentes necessitam de uma lubrificação constante dos olhos através do efeito lágrima. Em ambientes secos o saco lacrimal não consegue produzir humidade suficiente para a lubrificação do olho.

Quando tenho o veículo exposto ao sol por período prolongado, a climatização demora bastante tempo para arrefecer o habitáculo.

Após o estacionamento prolongado sob o sol forte, ligue o sistema e ande alguns minutos com as janelas abertas permitindo a expulsão mais rápida do ar excessivamente quente. Logo após feche as janelas, nunca deixando a menor entrada de ar externo, para um melhor aproveitamento da refrigeração.

POSSÍVEIS ANOMALIAS

Ar Condicionado não funciona ou com funcionamento intermitente

- Ausência de gás no sistema

- Falha de Pressostato

- Fio partido ou desconectado

- Fusível do sistema queimado

- Painel de comando com algum componente queimado

- Baixa tensão da bateria

- Relé do compressor defeituoso (se equipado)

Ar condicionado não refrigera

- Sem correia de acionamento do compressor

- Embraiagem eletromagnética com defeito

- Compressor não liga

- Ausência de refrigerante

Ar condicionado refrigera pouco ou parcialmente

- Quantidade de gás frigorígeno inferior à recomendada

- Troca de calor insuficiente (tanto no condensador como no evaporador)

- Excesso de óleo no sistema

- Compressor com defeito

- Compressor sobreaquecido

- Correia demasiado larga

- Embraiagem eletromagnética com defeito (a “patinar”)

- Filtro desidratador obstruído

Presença de humidade no sistema

Presença de humidade no sistema

- Evacuação insuficiente

- Processo de evacuação inadequado

- Ferramenta de evacuação com problema

- Tubo de escoamento da água de condensação do evaporador obstruído ou mal direcionado

Deficiência de ventilação e distribuição de ar

- Circuito impresso do comando com anómalia

- Motor de ventilação trancado ou com problema de funcionamento

- Botão de acionamento do aquecedor com irregularidades de funcionamento

- Motor de ventilação queimado, componente da placa queimado ou com funcionamento irregular

- Engrenagem das portinholas fora de posição

- Filtro de pólen obstruído.

 

MIGUEL ANTUNES
Formador TTT – Technical Training Team

Share and Enjoy

Tags: , ,


About the Author



Back to Top ↑


Get Widget
Email
Print